aves05aves05

 

baixapombalina - blog sobre as polí­ticas de intervenção na Baixa Pombalina

 

Click for Lisboa, Portugal Forecast

 

 

Banca de Jornais veja aqui as edições de hoje

 

quarta-feira, janeiro 28, 2004

 

O CAVALO DE D. JOSÉ I NA ESTÁTUA EQUESTRE DO TERREIRO DO PAÇO


A propósito do "post"" Fidelissimo Regi nostro Josepho Primo, Felice, Invicto, Pio, Augusto in sua auspicatissime equestris statuae" [Sábado, Novembro 22, 2003], recebi do Sr. Dr. Paulo Marrecas Ferreira uma informação interessante sobre o cavalo que inspirou a estátua equestre de D. José I, no Terreiro do Paço. Pelo contributo prestado, os meus agradecimentos.

"Portugal foi sempre um país de tradição equestre muito desenvolvida, tanto pela presença no nosso território do Cavalo Lusitano, quanto pela presença Árabe e pelo desenvolvimento na Península da equitação à gineta que se sobrepõe, a partir do Século XVI, em toda a Europa, à equitação à brida, medieval.

É neste quadro que surgem os cavalos Alter Real, obra de D. João V, melhoramento do Cavalo Lusitano, pelo cruzamento de cavalos lusitanos com éguas andaluzes. Situa-se em Alter do Chão (a Coudelaria foi fundada em 1748) a coudelaria, integrada no Ministério da Agricultura, em que hoje se continua a desenvolver, segundo a tradição, o cavalo Alter Real.

Este cavalo, tal como o cavalo lusitano, de onde provém, é um excelente cavalo de ensino, ou seja do desenvolvimento da equitação à gineta lusitana e ibérica.

O Século do Iluminismo foi também o Século deste tipo de equitação: neste Século atinge esta modalidade o seu máximo esplendor e a sua máxima divulgação, sem prejuízo de melhoramentos posteriores como os do ensino de Baucher, em França, no Século XIX, ou de Mestre Nuno de Oliveira, em Portugal, no Século XX.

Natural era por isso, dotar D. José, o Rei da reconstrução Pombalina de um cavalo à altura do seu tempo. O cavalo que inspirou a estátua é, com efeito, um Alter Real, escolhido por D. Pedro de Menezes, Marquês de Marialva, Mestre Equitador de D. José. Era conhecido pelo seu talento e pelo modo como fora ensinado, e tinha por nome Gentil.

Estão assim imortalizados, no Terreiro do Paço, também, o famoso Gentil, e a tradição e a cultura equestre portuguesas.

Paulo Marrecas Ferreira.

Nota: Além das numerosas publicações sobre o Cavalo Lusitano onde se encontram as referências ao Gentil e ao Marquês de Marialva, pode encontrar-se um texto breve, em publicação do Ministério da Agricultura destinada à Europália, de 1991, tendo por lugar de publicação "Rhode-Sainte Genèse - Belgium".


Sobre o Cavalo Lusitano, a "baixapombalina" apresenta aos seus leitores este interessante "site":

clique




Comments: Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?